Notícias
o mais importante sobre o mercado imobiliário
Notícias
voltar \ Conforto térmico: dicas de ouro para climatizar a casa

Conforto térmico: dicas de ouro para climatizar a casa

14 jan 2020
Conforto térmico: dicas de ouro para climatizar a casa
Geral
A procura de soluções de aquecimento e arrefecimento do ambiente é cada vez maior. Eis algumas explicações e truques sobre o tema.

A climatização no interior das habitações é uma questão cada vez mais valorizada pelos portugueses. O conforto térmico é algo que varia de pessoa para pessoa e que influencia, em grande parte, a sua saúde e bem-estar, assim como o seu desempenho (no caso de locais de trabalho). Por isso, nos dias de hoje, a busca por uma temperatura equilibrada e ideal é uma procura constante.

Existem diversos fatores que influenciam o conforto térmico, nomeadamente variáveis individuais como a atividade desenvolvida e o vestuário, assim como variáveis ambientais como a temperatura e humidade relativa do ar, temperatura média radiante e velocidade do ar. É por isso que a procura de soluções de aquecimento e arrefecimento do ambiente se tornou num assunto tão importante para as famílias, representando já cerca de 22% do consumo de energia da habitação.

Com a ajuda da MELOM*, empresa especializada e líder em remodelação de imóveis, deixamos-te alguns dicas de climatização para um maior conforto do lar.

flickr.com/ Pinterest
flickr.com/ Pinterest

Apesar de uma grande percentagem de lares não terem qualquer equipamento de climatização, os sistemas mais utilizados em Portugal são os aquecedores com resistência elétrica e as lareiras, que apesar de muito usados são pouco eficientes.

Quando se escolhe um sistema de aquecimento e arrefecimento para uma habitação deve ter-se em conta alguns aspetos, nomeadamente a localização geográfica do edifício, que está inteiramente relacionada com o tipo de clima existente; a orientação solar do edifício e das respetivas divisões; o número de espaços a climatizar e a respetiva área; a possibilidade de utilização de uma solução combinada de aquecimento de águas e do ambiente.

1. Tipos de sistemas de climatização a considerar

Atualmente, a utilização de sistemas mais eficientes de climatização é uma preocupação do utilizador. Neste artigo, a MELOM aborda os sistemas aconselhados, demonstrando as vantagens e as desvantagens de cada um.

  • Ar Condicionado:

O equipamento de ar condicionado tem como principal objetivo climatizar o espaço, ou seja, arrefecer e aquecer a divisão onde se encontra instalado. No entanto, pode também acumular funções como desumidificação, renovação e filtragem do ar e ventilação.

Os sistemas mais comuns são do tipo slip, existindo duas unidades: uma no interior e outra no exterior do edifício, ligadas entre si por tubagem de cobre, nos quais circula um fluido frigorígeno, promovendo a troca de calor entre o ambiente exterior e o interior.

Roomclip
Roomclip

Existem, porém, vários tipos de sistemas: o sistema portátil, que tem como principais vantagens o facto de ser fácil deslocar e de não requerer qualquer pré-instalação; o sistema mono-split, com uma unidade interior e outra no exterior e o sistema multi-split, com uma unidade no exterior e diversas no interior, permitindo o controlo da temperatura individual dos vários espaços. No entanto, este sistema não permite ciclos de aquecimento e arrefecimento simultâneos.

No sistema de ar condicionado, o utilizador pode, de forma rápida, regular a temperatura em qualquer altura do dia, independentemente da estação do ano. É um sistema extremamente versátil, com diversas configurações e potências. Está disponível com níveis de eficiência elevados, o que poderá conduzir a menos gastos na fatura de energia, quando comparados com outros sistemas menos eficientes.

  • Recuperadores de calor e salamandras:

São equipamentos que utilizam a queima de combustível sólido (pellets, lenha, briquettes) para aquecer o ambiente. A energia produzida é transmitida a um fluido (ar ou água), que vai distribuir o calor pelas várias divisões da habitação.

Os recuperadores de calor podem ser a ar, utilizando essencialmente o espaço livre das lareiras convencionais e aquecem os espaços através de condutas. No caso dos recuperadores a água, que são fundamentalmente usados para o aquecimento central, a distribuição do calor

faz-se através de condutas de água, que poderão aquecer os radiadores, piso radiante e/ou águas quentes sanitárias.

archiexpo.com/ Pinterest
archiexpo.com/ Pinterest

Os recuperadores de calor e salamandras, podem utilizar diversos tipos de combustível biomassa, nomeadamente lenha, estilha (fragmentos provenientes de estilhaçamento da biomassa florestal, sendo o mais barato de todos os combustíveis), pellets (aglomerados de serrim e desperdícios da indústria transformadora da madeira, com baixo teor de humidade e elevado teor calorífico, permitindo mais eficiência e flexibilidade de utilização) e briquetes (com um processo de transformação idêntico ao dos pellets, mas produzidos com maior dimensão).

As principais vantagens dos recuperadores de calor e salamandras é que utilizam combustíveis mais económicos e provenientes de energias renováveis. São muito eficientes, pois utilizam grande parte da energia contida nos gases produzidos para aquecer o fluido.

  • Aquecimento Central:

O aquecimento central destina-se a fazer o aquecimento das habitações – a instalação pode ser centralizada e individual ou coletiva. Em ambos os casos, é aquecido um fluido num gerador de calor, que é conduzido aos elementos difusores de temperatura, em cada divisão.

Os sistemas mais comuns de aquecimento central integram os seguintes componentes: gerador de calor (geralmente uma caldeira); as unidades de regulação e controlo; e o sistema de distribuição e emissão de calor (composto por tubagens, bombas e radiadores, no interior dos quais a água circula, distribuindo o calor pelas várias divisões).

Este sistema tem como principais vantagens a ausência de ruído e com longo período de vida útil.

  • Piso Radiante:

O sistema radiante é um sistema de aquecimento cada mais usado no nosso país, devido à sua versatilidade e eficiência. Este sistema pode ser elétrico ou hidráulico, e pode ser utilizado como fonte de aquecimento de água, bomba de calor, caldeira a gás, gasóleo, lenha ou painéis solares.

O funcionamento do piso radiante, utilizando o sistema hidráulico é composto por uma rede de tubos instalados por baixo do pavimento, através dos quais circula a água quente.

Já no caso do sistema de piso radiante elétrico, é colocada uma serpentina por baixo do pavimento, devidamente protegida e isolada, sendo controlada por termóstato de ambiente. que mantem cada divisão à temperatura desejada. Apenas necessita de estar ligado à rede elétrica existente e mantém cada divisão à temperatura desejada.

realhomes.com/Pinterest
realhomes.com/Pinterest

Ambos os sistemas têm como principais vantagens o aquecimento rápido e uniforme das divisões, além de permitir ter mais espaço livre dentro dos compartimentos (mais do que com os sistemas convencionais).

É de fácil instalação em novos edifícios e pode ser utilizado em todo o tipo de pavimentos, nomeadamente cerâmico, laminado, madeira, vinílico.

Como principal desvantagem tem o custo inicial de aquisição, que poderá ser recuperado a médio prazo, devido aos baixos custos de utilização. Este sistema tem também como desvantagem o facto de necessitar de uma altura mínima para poder ser instalado, sendo por isso mais recomendado nos casos de nova construção.

2. Qual o melhor sistema de climatização?

Dificilmente existirá um sistema perfeito. Este dependerá de diversos fatores nomeadamente o tipo de habitação, área habitável, a localização, o estilo de vida, as condições de saúde, os gostos pessoais e a disponibilidade financeira.

portcityair.com.au / pinterest
portcityair.com.au / pinterest

Ainda assim, o sistema que reúne mais unanimidade é o sistema de Ar Condicionado, uma vez que é muito prático e versátil. Pode ser utilizado para o aquecimento e arrefecimento do espaço e ser instalado à medida das necessidades dos utilizadores. Os sistemas de caldeira (a gasóleo ou a gás), apesar de eficientes são ainda muito dispendiosos e os custos de operação são superiores.

3. Quais os cuidados a ter na instalação dos equipamentos?

Cada casa é diferente e, por isso, tem necessidades distintas. Antes da instalação, é aconselhável pedir um estudo para cada tipo de espaço e analisar as suas necessidades. É essencial optar por uma empresa de climatização certificada, que ofereça soluções variadas, de qualidade e eficientes. Considere todas as opções antes de decidir qual a melhor solução para a sua casa.

istockphoto.com
Veja Também