Notícias
o mais importante sobre o mercado imobiliário
Notícias
voltar \ Prestação da casa desce em julho.

Prestação da casa desce em julho.

04 jul 2019
Prestação da casa desce em julho.
Geral
Este mês traz boas notícias para muitas famílias com crédito à habitação. O valor da prestação a pagar ao banco pelos clientes com empréstimos da casa indexados às Euribor a três e a seis meses desce em julho, face às últimas revisões, segundo cálculos feitos para a Lusa pela Deco/Dinheiro&Direitos.
Esse corte não será alheio às declarações de Mário Draghi que no recente Fórum do Banco Central Europeu (BCE) que decorreu em Sintra acenou com a possibilidade de novos estímulos, incluindo a descida dos juros, arrastando as Euribor para novos mínimos históricos.

De acordo com a simulação efetuada pela Deco, um cliente com um empréstimo no valor de 150 mil euros a 30 anos, indexado à Euribor a seis meses com um spread (margem de lucro do banco) de 1%, paga a partir deste mês 463,48 euros, o que significa menos 2,55 euros face à última revisão da prestação, em janeiro.

Já no caso de um empréstimo nas mesmas condições, mas indexado à Euribor a três meses, o cliente passará a pagar 460,13 euros, neste caso 1,33 euros menos do que o pago em abril.

As Euribor são o principal indexante em Portugal nos contratos bancários que financiam a compra de casa. A Euribor a seis meses é a mais usada, seguida da taxa a três meses.

As taxas de juro continuam em terreno negativo e mesmo a acentuar essa tendência. Em junho, a média da taxa Euribor a seis meses foi de -0,279%, um novo mínimo histórico, e a média da taxa a três meses de -0,329%.

As afirmações do presidente do BCE durante o evento que decorreu em Sintra foram de tal valorizadas que no dia seguinte — 19 de junho — o mercado brindou as famílias com seis meses extra de juros negativos. Se a 17 de junho, véspera do discurso de Mário Draghi, os futuros para a Euribor a três meses assumiam que esse indexante ficasse positivo em junho de 2023. Um dia depois, e após as declarações de Mario Draghi, o mercado adiou esse cenário para o final daquele ano, situação que se mantém.

 

Fonte: Eco.pt
 
Veja Também